Passar para o conteúdo principal
Estação comboio de Bercy

Os primórdios da temperatura controlada (de 1850 a 1920)


Em meados do século XIX, apenas as técnicas de salga, fumagem e secagem permitiam conservar um produto fresco. As máquinas de refrigeração apenas aparecem no final da década de 1850. A partir de 1876, Charles Tellier aproveita estas novas técnicas para tentar transportar carne desde Rouen (França) até Buenos Aires (Argentina). Transforma um velho veleiro num barco a vapor que batiza "Le Frigorifique". Esta travessia do Atlântico em 105 dias é um sucesso, pois as 30 toneladas de carne chegam em bom estado.

É durante a Primeira Guerra Mundial que o transporte frigorífico prolifera. É necessário alimentar os soldados franceses que encontram na frente de combate, e também os soldados ingleses e norte-americanos, aliados de França.

É em 1920 que tudo começa para a STEF. Terminada a guerra, as empresas ferroviárias pretendem criar a sua própria rede de transporte frigorífico. A empresa PLM (Compagnie des Chemins de Fer de Paris à Lyon et à la Méditerranée) decide criar a Société Française de Transports et Entrepôts Frigorifiques. É a primeira etapa na construção do Grupo STEF.
 

Vagão STEF

Desenvolvimento da logística ferroviária (de 1938 a 1950)

Em 1938 é criada a SNCF (Société Nationale des Chemins de Fer Français). Conta com a quase totalidade da rede ferroviária francesa, que antes pertencia a antigas empresas.

Rapidamente, a STEF e as suas concorrentes da época, a CTF e a SEF, se tornam filiais da SNCF. Esta última compra todo o material fixo e móvel da STEF, incluindo os seus 600 vagões, e adquire 98% do capital. A STEF fica responsável por gerir todo o material destas três empresas após a sua fusão.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a STEF continua o seu desenvolvimento, nomeadamente com a construção de um armazém em Perpignan, apesar das difíceis condições de aprovisionamento. Terminada a guerra, a população francesa tem fome. Apesar do aparecimento do regime acelerado (os vagões atingiam 100 km/h) e da otimização dos prazos de transporte, torna-se complicado alimentar os franceses devido às dificuldades que duram até ao final da década de 1940.

Torre de carregamento de gelo de Dijon

Industrialização do frio (de 1950 a 1960)

O transporte rodoviário desenvolve-se a partir da década de 1950. Ainda assim, esta nova concorrência não é uma ameaça para a STEF, que se mantém como filial da SNCF. Os camiões não dispõem de equipamento frigorífico, pelo que os vagões continuam a ser utilizados para abastecer as grandes cidades e para os percursos de longo curso. A principal missão do transporte rodoviário é garantir a ligação entre os produtores e as estações de caminho de ferro.

Na década de 1960, a STEF possui mil vagões refrigerados, isotérmicos e frigoríficos. Dispõe de estações em toda a França: Paris, Saint-Brieuc, Estrasburgo, Limoges, Dijon, Avinhão e Perpignan.

Antigamente, a STEF produzia inúmeros blocos de gelo introduzidos manualmente nos compartimentos para conservar os produtos perecíveis. As técnicas modernizam-se com o aparecimento das torres de carregamento de gelo. Assim, os vagões param sob a torre e o gelo cai diretamente nos compartimentos sem ser necessária qualquer manutenção.

Camião STEF-TFE

As origens rodoviárias do Grupo STEF (de 1964 a 1982)

Enquanto que a STEF continua o seu desenvolvimento, três transportadores (Robert Diemert, Guy Galopin e Michel Sancier) decidem criar, em 1964, a primeira rede de grupagem rodoviária, batizando-a de TFE.

Em 1981, Pierre Legras é nomeado Diretor-geral do Grupo. O seu objetivo é "constituir uma verdadeira rede nacional de transporte frigorífico". A TFE dispõe então de 1.200 veículos e emprega 2.500 pessoas. Nessa época, o Grupo TFE possui cinco empresas regionais: Sud-Ouest, TFO, Ronazur Froid, Sodelpha e Eurotransit.

Para dar ao Grupo uma forte identidade visual, é criado, em 1982, um logótipo para ilustrar os valores, o lema e a atividade da empresa. É assim que nascem os primeiros esboços do logótipo do Grupo STEF. Todas as cores e formas têm o seu significado: o branco é um símbolo de pureza, limpeza e higiene, enquanto que o azul simboliza o frio. Os círculos entrelaçados, o símbolo da segurança e da cadeia do frio, representam a união de todas as empresas TFE numa rede solidária.

Vagão STE

A Financière de l’Atlantique (de 1987 a 1989)

Em 1987, a SNCF decide ceder a STEF, sua filial há 50 anos. A TFE candidata-se para comprar a empresa, mas não é a única.

Na altura, a empresa Financière de l’Atlantique é uma empresa discreta. Criada em 1983 por Francis Lemor e Bernard Jolivet, a empresa tem como objetivo "formar um grupo que abranja todas as atividades frigoríficas". Embora na altura não sejam reconhecidos como especialistas em logística de frio, os seus fundadores têm a certeza de que o mercado será promissor e decidem lançar-se. Iniciam a sua atividade com uns milhares de metros cúbicos de armazéns.

Depois de investirem em armazéns no oeste e construirem novas plataformas, a empresa Financière de l’Atlantique surpreende ao adquirir a STEF.

Logo STEF-TFE

Nascimento da STEF-TFE (de 1992 a 2012)

Em 1992, a empresa Financière de l’Atlantique adquire a TFE sendo a sua única acionista.

Em 1996, o Grupo torna-se na STEF-TFE. Na altura, é composto por três redes: STEF, TFE e Tradimar.

Em 2012, a STEF-TFE adota uma marca comercial europeia única para todas as suas redes: STEF. Esta etapa corresponde a uma evolução lógica que resulta, progressivamente, na convergência dos conhecimentos de todas as atividades da temperatura controlada na Europa (transporte, serviços logísticos e sistemas de informação). Responde a uma grande expetativa dos clientes que procuram serviços coordenados e seguros, com uma garantia de serviço homogéneo e de grande qualidade, independentemente da atividade, região e país.

STEF TRP Bischheim

A STEF desde 2012

Em 2013, a STEF adquire a EBREX France, uma empresa especializada em transporte rodoviário de mercadorias sob temperatura controlada e serviços logísticos para a restauração (21 plataformas). A aproximação das duas organizações permitiu à STEF consolidar a sua posição de prestador de serviços no mercado francês do consumo alimentar.

Em 2014, a STEF adquire a empresa Speksnijder Transport, uma empresa holandesa que dispõe de uma plataforma multi-temperatura a partir da qual realiza operações de logística e grupagem em todo o Benelux. Em 2016, a STEF adquire a VERS-EXPRESS, uma empresa especializada na distribuição de produtos alimentares frescos, comprando a parte imobiliária e 40% do capital da empresa NETKO. Com estas aquisições, a STEF reforça a sua rede europeia na Holanda e a sua presença no norte da Europa. Em 2018, a implementação de uma marca única STEF na Holanda conclui a integração destas 3 empresas no Grupo. Assim, a STEF permite aos industriais do sul da Europa desenvolverem as suas atividades neste território e aos operadores holandeses acederem mais facilmente aos mercados do sul da Europa.

Picking

Em 2016, a STEF assina com a NORDFROST, o líder alemão em logística de produtos congelados, um acordo de parceria europeia que cria novas oportunidades de acesso dos seus clientes às regiões norte e leste da Europa.

No mesmo ano, o Grupo anuncia a mutualização da sua rede logística com a EMMI, o grupo líder na Suiça de produtos lácteos, e abre a sua própria plataforma em Kölliken, em 2018, para consolidar a sua posição no segmento da logística dos produtos frescos na Suíça.

Em 2019, a STEF implementa uma nova organização operacional, centrada na especialização por unidade de negócios, por forma a satisfazer a responder de forma mais eficiente às necessidades dos seus clientes.

Ao longo do tempo, o Grupo soube evoluir e adaptar-se aos hábitos de consumo e às novas tecnologias: diversificação dos canais de distribuição, diversificação dos produtos e aceleração dos fluxos. A STEF acabou por alcançar o seu objetivo: tornar-se no líder europeu da logística do frio.

Este website utiliza cookies para medir a audiência e melhorar a sua experiência.

Ao continuar a navegar neste website, está a consentir na utilização dos cookies. Para mais informações, clique aqui